Acreditamos que pessoas mudam o mundo. Receba nosso melhor conteúdo com exclusividade

Quem tem um porquê enfrenta qualquer como? Qual o seu propósito?

Respiro

Clareza de propósito facilita a tomada de decisão em diversas áreas da nossa vida, inclusive a definição dos nossos objetivos e prioridades no dia a dia. Você tem clareza do seu propósito? Caso não, vale a pena participar dessa conversa. Juro que pode ajudar a esclarecer o conceito e sua aplicação prática.

Há algumas semanas paralisei. Estava e estou passando por muitas transições na vida pessoal  e profissional. Aquele momento no qual precisamos fazer escolhas e tomar decisões que, por mais simples que pareçam, são importantes e podem mudar o roteiro da nossa jornada. A novidade? Nenhuma, afinal esse é o fluxo da vida.

O que distingue o momento atual de outro é o fato de eu ter muito mais clareza sobre o que quero e de como realizar os meus anseios. Aí você pode questionar: "Oi?! Qual o dilema?". O problema para muitas pessoas está na falta de clareza sobre o que querem ou como colocar a mão na massa.

O problema é que apesar de tanta clareza, em um determinado momento a vida chegou para mim e disse “nananinanão, você pode até saber o que quer e como realizar, mas por ora esse como não vai rolar”.

Assim, num papo bem reto. Minha primeira reação foi resistir. Não queria adotar um novo como, paralisei. Foi aí que apareceu no meu caminho a seguinte frase: “Quem tem um porquê enfrenta qualquer como”, atribuída ao psiquiatra Viktor Frankl.

De certa forma, a essência dessa citação já havia surgido em conversas com amigos e pessoas queridas. Mas foi ali, naquele momento, com aquela bagagem emocional que fui capaz de absorvê-la de forma genuína. Percebi que sim, estava me apegando mais a um jeito de fazer as coisas, do que ao meu porquê - o que realmente importa.

A frase fez transbordar em mim vitalidade e me retirou de um ciclo mental negativo, que havia me imobilizado. "Tá, o que essa história tem a ver comigo, Aline?". Acredito que tudo.

Uma das ideias mais transformadoras que descobri nos últimos anos foi o propósito. Ele tem guiado meus processos de tomada de decisão, do mais simples aos mais complexo.

Meu propósito está intimamente conectado à definição dos meus objetivos para o ano, mês, semana e dia. É meu norte. Agora pergunto, você sabe qual é o seu propósito?

O que é propósito? Eu realmente preciso de um?

Ao chamar você para conversar sobre propósito não quero de maneira alguma incentivá-lo a adotar uma interpretação romantizada do conceito. Na minha percepção, propósito não tem a ver com "fazer o que ama". Ficou frustrado? Pois é, faz parte.

Posso estar completamente equivocada, e peço licença aos estudiosos do conceito para fazer algo que faço pouco na vida, dar minha opinião sem ser convidada. Sei a responsabilidade que uma opinião carrega, especialmente em tempos de internet.

Na real, se a gente for refletir mesmo sobre o tema um dos primeiros questionamentos que podemos fazer é: a vida tem propósito, ou nós humanos que criamos a necessidade de um?

Como seres dotados de consciência, prefiro acreditar que cada pessoa pode desenvolver uma ideia de propósito para além da sobrevivência. Algo que agrega valor e dá sentido à vida. Por exemplo, na minha percepção, vida com propósito é uma vida coerente com o que acredito. O que conversa com minha interpretação de vida autentica. Desse modo, a minha expressão no mundo é reflexo da expressão do meu porquê.

Geralmente relacionamos propósito à vida profissional, mas ele abarca tudo. Está impregnado na nossa forma de falar, escutar, vestir, andar, comer, se relacionar, respirar etc. É quem estamos, manifestamos, vivemos. Minhas crenças, preferências e valores refletem no Pessoa Melhor, nos produtos que consumo, na maneira como falo com as pessoas etc.

Muito romantizado? Pode ser, e talvez até soe confuso. Mas essa é a forma como eu interpreto propósito e aplico o conceito na minha vida.

Mas também acredito que é possível entender o conceito de forma mais simples. Pode ser que seu propósito seja conceder boas condições de vida para a sua família (dentro da sua interpretação do significado disso), pois vê-los bem faz você se sentir feliz e realizado. Assim,  talvez aceite trabalhar em um local ou atividade que não gosta, mas que contribui diretamente para o cumprimento do seu porquê.

Dentro dessa perspectiva, o trabalho não desejado perde boa parte do peso e se torna um COMO momentâneo. O sentido de permanecer nele vem do sentimento gerado pela concretização cotidiana do seu propósito. Nosso porquê está intimamente conectado com  a emoção, os sentimentos e as sensações geradas por ele. 

Identificou o seu propósito? Isso mesmo, não é criar, nem desenvolver. Aqui se trata de identificar, descobrir ou reconhecer, porque geralmente ele está com a gente. O fluxo dinâmico da vida dificulta percepção dele.

Um porquê bem claro facilita a definição do nosso como (realizar) e, simultaneamente, a criação da nossa lista de objetivos para todos os anos, meses, semanas e dias da nossa vida. Objetivos podem ser interpretados como bússola e o propósito a coordenada da bússola. É para onde ela aponta.

Como mencionei em outra conversa aqui, um dos princípios mais importantes para conquistar qualquer objetivo é criar sistemas e processos que o torne parte da nossa rotina. Aquele papo de fazer um pouco todos os dias, sabe?

Após identificar o seu ou seus porquês (sim, podemos ter mais de um), defina objetivos, identifique como transformá-los em realidade e crie um sistema para manter-se engajado com o seu propósito.

Propósito, objetivos e engajamento: consistência no processo

Coleciono frases e pensamentos que me ajudam a lembrar o que realmente importa e a repor minhas energias quando experimento cansaço, dúvida, medo, frustração dentre outros sentimentos e sensações nada agradáveis. “Quem tem um porquê enfrenta qualquer como” entrou para a lista recentemente.

O meu porquê levou algum tempo para ficar claro. Não me ocorreu num momento de iluminação, foi aos poucos se costurando e se revelando para mim e evolui na medida que me transformo. É a expressão mais autêntica de quem estou e do que acredito. É meu compromisso comigo mesma que, em parte, expresso e vivencio por meio da Pessoa Melhor.

Hoje, mais que em qualquer outro momento, sei que quando temos um porquê genuíno o como realizar se torna secundário. Por mais desafiador e desconfortável que seja, o como nos mantém em contato com nosso propósito. Para ter isso vale a pena mudar de ideia, nos desafiarmos e ir para o fronte de batalha.

Para viver o meu porquê estou aceitando alguns como que há alguns meses ou anos não imaginava que estaria disposta, mas confesso que isso me impulsionou a sair da tal zona de conforto, me fez e está me fazendo maior e melhor. Um alguém que quero estar.

Agora é a hora, qual o seu porquê? Conta pra mim!
Beijo :)
Aline

Gostou do artigo? Compartilhe este conhecimento com seus contatos!
Compartilhe no whatsapp
Compartilhe no Linkedin