Acreditamos que pessoas mudam o mundo. Receba nosso melhor conteúdo com exclusividade

Coerência: uma importante aliada da vida autêntica

Respiro

Nesta conversa ajudo você a identificar o quanto sua expressão no mundo é coerente com sua essência - o que consequentemente o torna mais autêntico.

Difícil encontrar alguém que não queira ser considerado autêntico, mas poucas pessoas sabem definir exatamente o que isso significa.  O senso comum pode nos fazer acreditar que autenticidade é coisa de gente descolada. Mas ser descolado não é pré-requisito para ser autêntico.

A melhor definição que encontro para autenticidade é ser o mesmo por dentro e por fora. Ou seja, viver de forma coerente com quem somos. Uma pessoa autêntica reconhece  quem é, a singularidade da sua existência e expressa seu “eu interior” no mundo.

Pode ser mais introspectiva ou expansiva, formal ou informal. Mas, em essência, é a mesma pessoa onde quer que esteja e indiferentemente com quem se relacione.

Como todo ser humano é provável que mudará ao longo da vida. Nesse processo, se muda o ser, muda a expressão do ser. Com isso não há incompatibilidade entre essência e expressão no mundo. Para ser intencionalmente redundante, o que torna uma pessoa autêntica é o fato de viver de acordo com quem ela é. E isso é expressado de forma genuína.

Por isso ser autêntico não implica deixar de fazer possíveis adaptações em nosso comportamento de acordo com o ambiente em que estamos inseridos, como uma reunião de trabalho, no happy hour com os amigos e na viajem romântica. com o parceiro. Em cada uma dessas situações podemos expressar diferentes comportamentos, mas o que importa é que apesar das adaptações nossa essência permanece.

Como descobrir se sou autêntico?

Se partimos do princípio de que o pré-requisito para a autenticidade é a expressão do nosso ser no mundo, a primeira atitude a ser adotada para verificarmos "quanto" autêntico somos é investigar o quão coerente estamos. Calma que já desato esse nó da sua cabecinha.

Não raro podemos criar uma autoimagem distorcida, de modo que a pessoa que acreditamos ser não encontra morada no olhar do outro.  E é aí, na incoerência entre a maneira como alguém se reconhece e a percepção dos outros, que podemos soar NÃO autênticos. Uma maneira de evitar essa cilada e identificar se estamos nos revelando de forma mais completa é utilizar a ferramenta Janela de Johari, conhece?

A ferramenta foi desenvolvida pelos psicólogos Joseph Luft e Harrington Ingham, e seu nome tem origem na junção dos prenomes  Jo (seph) e Hari (Harrington). Observe a figura abaixo e imagine que você é uma casinha. Sim, sim, parece bobagem, mas faz uma força aí e imagina porque vale a pena. Agora imagine que há duas pessoas posicionadas fora da casa, cada uma em frente a uma janela, conforme na imagem.

Caso alguém saiba a fonte, me conta que concedo os créditos aqui :)

A casa é composta por quatro quartos. Cada uma das pessoas posicionadas do lado de fora (no caso você e os outros), consegue enxergar apenas dois quartos.

Quarto 1: representa aspectos que tanto os outros como você reconhece em si mesmo. Ex.: As pessoas dizem que você é simpático e você se reconhece como simpático. Check!
Quarto 2: representa aspectos desconhecidos por você, mas conhecidos pelos outros. Como assim? Ex.: As pessoas dizem que é simpático, mas você NÃO se reconhece como uma pessoa simpática. Nesse caso é interessante questionar o motivo da não identificação.
Quarto 3:
representa aspectos desconhecidos por você e pelos outros. Provavelmente são informações que ainda estão sendo processadas no seu inconsciente. Difíceis de serem captadas sem ajuda profissional.
Quarto 4: representa aspectos que você conhece sobre si mesmo, mas são ocultos para os outros. Ex.: Faz um tricô que é uma beleza, mas ninguém sabe que você tem essa competência.

E aí, como base na janela de Johari saberia dizer onde reside a vida autêntica?

Vida autêntica: quando nosso eu encontra morada no olhar do outro

Na minha percepção vida autêntica se baseia  na coerência entre nossa essência e sua expressão no mundo. Isso significa que a autenticidade reside na área aberta (quarto 1) da Janela de Johari.

É nela que nosso eu encontra morada no olhar do outro. Pois quanto mais ampla nossa área aberta, maior a chance de nossa autopercepção ser compatível com o percepção que os outros têm da gente.

Para aplicar a ferramenta desenhe quatro quadrantes em uma folha em branco conforme na imagem abaixo, e preencha com as informações correspondentes a cada quarto da sua casinha (no caso, você).



Conhecia essa ferramenta? Adota alguma concepção diferente de autenticidade e de vida autêntica?
Beijo :)
Aline


Gostou do artigo? Compartilhe este conhecimento com seus contatos!
Compartilhe no whatsapp
Compartilhe no Linkedin